terça-feira, 8 de maio de 2018

Fonte do Poder Mormon (Sacerdócio)

                 Se vc perguntar a praticamente qualquer mórmon (Sud) o que é o sacerdócio, provavelmente vc irá ouvir a seguinte frase: "...é o poder e autoridade de Deus delegada aos homens, para que o mesmo aja em Seu nome aqui na terra...", e apesar de simples, essa frase é muito forte e verdadeira.
Tentemos imaginar a seguinte situação, um homem anda pela rua, e derrepente vê um veiculo circular aparentemente a uma velocidade altíssima , numa área em que a lei determina que se ande a 40Km/h, o que esse homem poderia fazer??? Bem, o correto seria anotar a placa do carro, e ligar para as autoridades competentes e informar o que esta acontecendo, pois esse homem não teria autoridade para persegui-lo em outro veiculo, ou mesmo sequer multá-lo , não é mesmo. Agora imaginem se esse homem fosse um policial, ao contrário do primeiro exemplo, ele teria não só o poder e a autoridade, como a obrigação de tomar uma atitude e no minimo multar o veiculo, pois ele é uma autoridade que recebeu esses poderes e direitos de quem possui essa mesma autoridade , ou até maior, que neste caso seria do governador do Estado. Pois é , o sacerdócio é considerado esse poder dado aos mórmons para agir em nome de Deus na terra, assim como esse policial agiria em nome do governador do estado. Em Mt7:21-23 lemos o seguinte: - Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.
Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?
E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade. Nesta escritura, entendemos que claramente existem pessoas que farão obras em nome do Senhor , mas que não são reconhecidas para tal,  que seria mais ou menos como se o homem comum que vimos no exemplo anterior , resolvesse que deveria resolver a situação por si só, e com seu carro perseguisse o suspeito de estar trafegando em alta velocidade, ou ainda se resolvesse num pedaço de papel qualquer aplicar uma multa em tal condutor. Ainda para confirmar o que foi dito anteriormente, em João 15:16, é dito o seguinte : - Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda.  Fica claro aqui que apesar de os apóstolos do senhor Jesus terem decidido segui-lo, não foi o que bastou para se tornarem apóstolos autorizados, pois para isso também foi necessário que Jesus os designassem para tal, pois "ninguém pode tomar para si esta honra, senão o que é chamado por Deus, como Arão..." Heb5:4.
                   Este sacerdócio, não pode ser adquirido de outra forma que não seja através de Deus, "pela imposição de mãos, por quem possua autoridade de pregar evangelho e administrar suas ordenanças." (RF5). Vejam por exemplo o caso de Moises , que recebeu a autoridade do próprio Deus ao ser visitado primeiramente na sarça ardente, e depois ao ser levado ao alto do monte, e o mesmo passou a seu irmão Arão, que não tomou para si tal honra enquanto a mesma não foi passada a ele por seu irmão Moises que foi comissionado diretamente pelo Senhor, ou seja, criou-se ai uma linha de autoridade, que foi recebida de Deus por Moisés, e depois de Moisés à Arão, e depois a outros 70 homens que o ajudara com o trabalho de Deus, "...  Eu só não posso levar a todo este povo, porque muito pesado é para mim.
E se assim fazes comigo, mata-me, peço-te, se tenho achado graça aos teus olhos, e não me deixes ver o meu mal.
E disse o Senhor a Moisés: Ajunta-me setenta homens dos anciãos de Israel, que sabes serem anciãos do povo e seus oficiais; e os trarás perante a tenda da congregação, e ali estejam contigo.
Então eu descerei e ali falarei contigo, e tirarei do espírito que está sobre ti, e o porei sobre eles; e contigo levarão a carga do povo, para que tu não a leves sozinho...E saiu Moisés, e falou as palavras do Senhor ao povo, e ajuntou setenta homens dos anciãos do povo e os pôs ao redor da tenda.
Então o Senhor desceu na nuvem, e lhe falou; e, tirando do espírito, que estava sobre ele, o pôs sobre aqueles setenta anciãos; e aconteceu que, quando o espírito repousou sobre eles, profetizaram; mas depois nunca mais.
Porém no arraial ficaram dois homens; o nome de um era Eldade, e do outro Medade; e repousou sobre eles o espírito (porquanto estavam entre os inscritos, ainda que não saíram à tenda), e profetizavam no arraial..." (Num11:14-17/24-26). Receber de Deus a autoridade e poder, sempre foi absolutamente necessário, e nunca houve outro meio para que se possa agir em seu nome, uma ilustração muito clara disso, acontece no novo testamento, quando Simão o mago, percebe através das obras dos apóstolos , que o poder que receberam é grandioso, e tenta adquiri-lo de maneira ilícita oferecendo aos apóstolos dinheiro em troca de tal poder, e o mesmo é negado e repreendido (At8:9-19)
                   Apesar de o sacerdócio ser um grandioso e maravilhoso poder, seu uso esta condicionado a retidão e dignidade do portador, e também a obra que é designado (D&C121:36-37). Se o sacerdócio for utilizado dentro de seus propósitos e "leis", o portador se torna detentor do impossível, podendo realizar qualquer coisa , mesmo que seja mover montanhas ou ressuscitar mortos (D&C121:45-46).    
             

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Os mormons creem em EXTRATERRESTRES???

É natural pensar de que lugar todas essas formas de vida vieram. Mas, assim como ocorreu com Moisés, Abraão ou Joseph Smith, nosso conhecimento da vida foi essencialmente limitado ao âmbito desta Terra. (Moisés 1:35). Por enquanto o Senhor resguardou de nós detalhes específicos sobre os ancestrais das formas atuais de vida, assegurando apenas que elas vivem em outros corpos celestes. E, quanto a outros planetas, revelou que existem variedades cuidadosamente preparadas de seres viventes que florescem em outros planetas, mas que não habitam agora em nossa Terra.
O Senhor mostrou algumas dessas criaturas a seus profetas, em visão. O Profeta Joseph Smith registrou que esses são “animais que viveram em outro planeta que não o nosso”. Anatomicamente eles ocorrem “em um milhar de formas” e vivem em “dez mil vezes dez mil terras como esta – estranhas bestas sobre as quais não temos idéia.” E entre essas “estranhas bestas” encontra-se sem dúvida um grupo muito grande de formas de vida que foram designadas a ajudar na preparação desta Terra para receber as formas atuais de vida.
Tanto as Escrituras como os comentários proféticos indicam que a repetida transplantação de vida para preparar a Terra foi um procedimento cuid(Abraão 4:12, 21, 25); Esses Criadores podiam expressar abertamente sua confiança de que as formas transplantadas de vida cumpririam as funções a que foram designadas, seja na preparação de minérios, carvão, depósitos de petróleo, leitos de calcário ou qualquer outra coisa destinada ao uso e desfrute dos futuros habitantes de nosso planeta.
adoso. Toda vez que os Deuses começaram um novo turno de criação, eles constatavam “que foram (ou seriam) obedecidos.”

domingo, 13 de agosto de 2017

O testemunho e a vida de uma das testemunhas do livro de mórmon . ( E ainda assim vai duvidar da veracidade deste livro?)



Por volta de 1827, Martin Harris havia conquistado uma vida confortável em Palmyra, Nova York. Nos quatorze anos anteriores, ele adquiriu 320 acres de terra, tornou-as lucrativas por meio de suas ideias industriosas e progressistas e construiu uma bela casa de alvenaria. Casou-se com Lucy Harris em 1808, e o casal teve cinco filhos, três dos quais viveram até a idade adulta. O talento e a prosperidade de Martin não passaram despercebidos por seus vizinhos, que o consideravam “um fazendeiro industrioso, trabalhador, astuto em seus negócios, comedido em seus hábitos e (…) próspero no mundo”.
Aos 45 anos de idade e desfrutando dos frutos de seu trabalho e tendo o respeito de seus colegas, Martin até considerava a possibilidade de contratar alguém para cuidar de sua fazenda por vários meses para que pudesse fazer algumas viagens. No entanto, quando começou a refletir sobre essa possibilidade, recebeu a visita de Lucy Mack Smith, que trouxe notícias intrigantes.
Martin Harris conhecia a maior parte da história: um anjo tinha aparecido a Joseph Smith e revelou-lhe a existência de um registro de antigas placas metálicas enterradas num monte perto de sua casa. Por três anos, Joseph tinha observado e esperado.
Agora, Lucy Smith tinha vindo para dizer a Martin que o filho dela finalmente recebera as placas do anjo e queria vê-las traduzidas. Joseph e sua família não estavam em condições de pagar pela publicação dessa tradução, mas Martin Harris sim. Lucy Mack Smith perguntou a Martin se ele poderia fazer uma visita a Joseph. Ele concordou, e sua esposa, Lucy Harris, insistiu em ir também.
Joseph Smith provavelmente considerava Martin Harris como um amigo. Ele havia anteriormente confidenciado a Martin as visitas do anjo e a existência das placas. Martin aparentemente retribuiu sua amizade; ele contratou Joseph Smith para trabalhar por dia em sua fazenda e encontrou nele alguém em quem confiar.
Mas provavelmente, Martin nutria algumas dúvidas. Algum tempo depois, ele disse numa entrevista que, logo que ouvira a história das placas, presumiu que Joseph e seus amigos que buscavam dinheiro simplesmente haviam encontrado uma velha chaleira de bronze. No entanto, Martin era um homem religioso. Alguns o achavam até supersticioso em suas opiniões, chamando-o depreciativamente de “visionário fanático”. Não entanto, talvez tenha sido essa abertura à presença do sobrenatural na vida diária que lhe permitira pelo menos pensar nas alegações de Joseph. Lucy Harris prontamente cumpriu a promessa de visitar Joseph, oferecendo-se até para ajudar a financiar a tradução das placas. Martin ficou indiferente, talvez porque precisasse de mais tempo para pensar no assunto.
Durante o outono e o inverno, vizinhos hostis fizeram várias tentativas de roubar as placas de Joseph. Nessa situação precária, ele decidiu se mudar com a esposa, Emma, para a casa dos pais dela em Harmony, Pensilvânia. Qualquer que tenha sido o motivo de sua hesitação anterior, Martin concluiu que precisava ajudar Joseph. Ele o encontrou em uma taverna em Palmyra, deu-lhe 50 dólares em prata e disse: “Dou-te isso para que faças a obra do Senhor”. Quando Joseph insistiu que ele considerava aquela ajuda um empréstimo, Martin reafirmou seu desejo de contribuir liberalmente para a causa.
Enquanto isso, Lucy Harris havia começado a duvidar da história de Joseph, possivelmente devido a sua insistência em manter as placas escondidas. Essa suspeita levou Lucy a ressentir-se do grande interesse e envolvimento de Martin com Joseph. O relacionamento de Martin e Lucy já estava tenso, e o apoio de Martin a Joseph Smith fez com que o abismo que os separava se aprofundasse.

“Não Posso Ler um Livro Selado”

Pouco tempo depois que a família Smith chegou a Harmony, Martin foi visitá-los e expressou seu desejo de ajudar Joseph. Martin sugeriu que ele fosse à cidade de Nova York, no leste, com a transcrição de alguns dos caracteres encontrados nas placas para mostrá-los a alguns estudiosos. Talvez ele quisesse mais uma confirmação de que as placas eram autênticas, ou pode ter pensado que o testemunho de um estudioso poderia ajudá-los a conseguir dinheiro emprestado para publicar a tradução. De qualquer forma, ele insistiu na ideia de que o Senhor o tinha inspirado a fazer a viagem.
Na época, nem Joseph nem Martin sabiam muito sobre a linguagem nas placas. Sabiam apenas o que o anjo Morôni tinha dito a Joseph: que era um antigo registro americano. Assim, em vez de procurar um erudito com conhecimento do idioma egípcio (Joseph ficou sabendo depois que a linguagem nas placas foi chamada de “egípcio reformado”), Martin visitou vários estudiosos interessados em antiguidades, especialmente antiguidades americanas.
Ele partiu em viagem em fevereiro de 1828 e, no caminho para a cidade de Nova York, parou em Albany para visitar Luther Bradish, um antigo morador de Palmyra e amigo da família que tinha viajado muito por todo o Oriente e Egito. Martin perguntou sua opinião sobre quem ele poderia ver a respeito da tradução e viajou para Nova York para encontrar-se com Samuel L. Mitchill, linguista e um dos principais estudiosos de cultura americana antiga. Depois de examinar os caracteres, Mitchill evidentemente enviou Martin para Charles Anthon, um jovem professor de gramática e linguística da Universidade de Colúmbia. Anthon coletava histórias indígenas americanas e discursos para publicação e estava ansioso para examinar o documento que Martin lhe trouxera.
Martin disse que Anthon declarou que os caracteres eram autênticos até o momento em que ficou sabendo como Joseph Smith os tinha adquirido. Anthon sugeriu que Martin lhe trouxesse as placas. Martin se recusou, e Anthon respondeu, parafraseando um versículo de Isaías: “Não posso ler um livro selado”. Embora Anthon depois tenha negado os detalhes do relato de Martin sobre a conversa deles, sabemos o seguinte: Martin voltou de seus encontros com os estudiosos mais convencido do que nunca de que Joseph Smith foi chamado por Deus e de que as placas e os caracteres eram antigos. Ele e Joseph viram a visita ao professor Anthon como o cumprimento da profecia de Isaías (também mencionada no Livro de Mórmon) sobre “as palavras de um livro selado que se dá ao que sabe ler, dizendo: Ora, lê isto; e ele dirá: Não posso, porque está selado”.


“Para Calar a Boca dos Tolos”

Durante a primavera e o início do verão de 1828, Martin serviu de escrevente para o jovem vidente enquanto este ditava a tradução. Embora o processo deva ter parecido milagroso para ele, Martin ainda estava receoso de ser enganado. Certa vez, ele substituiu a pedra vidente de Joseph por outra pedra para ver se Joseph perceberia a diferença. Quando Joseph foi incapaz de continuar traduzindo, Martin confessou seu estratagema e devolveu a pedra vidente. Quando Joseph perguntou-lhe por que tinha feito isso, Martin explicou que ele queria “calar a boca dos tolos que lhe disseram que o Profeta havia aprendido essas frases e as estava meramente repetindo”.
Embora Martin tenha chegado a acreditar sinceramente, sua esposa tinha se tornado bastante hostil. Lucy Harris estava preocupada, de modo compreensível, que Martin corresse grande risco financeiro ao ajudar a publicar o livro, que seus colegas zombariam da participação de seu marido no que viam como um esquema fraudulento e que Martin simplesmente não havia levado em consideração os sentimentos dela. Ela também estava incomodada pelo modo como Joseph sempre recusava toda possível tentativa de ela ver as placas e importunava Martin incessantemente para que ele mostrasse alguma prova da capacidade de Joseph de traduzir.
Para aliviar o mal-estar de Lucy, Martin pediu a Joseph que “consultasse o Senhor por meio do Urim e Tumim” para saber se ele poderia “levar os escritos para casa e mostrá-los” à sua esposa e outras pessoas. Joseph queria agradar a Martin porque ele lhe demonstrara amizade “quando parecia não haver nenhum amigo na Terra para socorrê-lo ou solidarizar-se com ele”.
Joseph inquiriu ao Senhor por seu amigo. “A resposta”, disse Joseph, “foi que ele não poderia fazê-lo. Contudo, ele não ficou satisfeito com essa resposta e desejou que eu perguntasse novamente. Eu o fiz, e a resposta foi a mesma. Ainda assim, ele não se contentou, mas insistiu que eu perguntasse mais uma vez. Depois de muitos pedidos, perguntei novamente ao Senhor, e foi dada permissão sob [certas] condições”. Martin deveria mostrar as páginas traduzidas apenas para sua esposa, pais, irmão e cunhada.
Animado, Martin Harris voltou para casa com as páginas do manuscrito e as mostrou à sua esposa. No entanto, ele não tratou o precioso manuscrito com os cuidados necessários, e logo o perdeu. Como isso aconteceu precisamente é pura especulação. Um rumor comumente repetido foi que Lucy retirou as páginas do escritório de Martin e as queimou, porém ela negou qualquer responsabilidade por sua perda. Alguns, incluindo Joseph Smith, suspeitaram de uma conspiração por parte de Lucy Harris ou talvez de outras pessoas.
Martin fez todo o possível para encontrar o manuscrito, temendo a ideia de confessar a Joseph o que havia acontecido. Ele até “rasgou as roupas de cama e travesseiros”, mas sem sucesso. Quando Joseph voltou para a casa de seus pais depois de várias semanas, ansioso por receber notícias, Martin caminhou com relutância os cinco quilômetros até a casa da família Smith em Manchester. Ao aproximar-se, “caminhou lentamente em direção à casa, pensativo, com o olhar fixo no chão. Quando ele chegou ao portão, não o abriu, mas subiu na cerca e sentou-se, ficando lá algum tempo com o chapéu cobrindo os olhos”.
Ele finalmente entrou, teve pouco apetite para o jantar que haviam preparado para ele, e logo “levou as mãos à cabeça e clamou profundamente angustiado: ‘Oh Perdi minha alma!’” Joseph entendeu imediatamente o que havia acontecido. Ele exigiu que Martin voltasse e procurasse novamente o manuscrito, mas Martin insistiu que seria em vão.
Exausto e desanimado, Joseph voltou para Harmony e, depois de caminhar uma curta distância de sua casa, orou pedindo misericórdia. O anjo apareceu e deu novamente a Joseph o Urim e Tumim, ou intérpretes que Joseph originalmente recebera com as placas, mas que havia perdido por ter “enfadado o Senhor para pedir que Martin Harris pudesse levar os escritos”. Usando o Urim e Tumim, Joseph recebeu a mais antiga de suas revelações, cujo texto foi preservado.
Agora conhecida como Doutrina e Convênios 3, a revelação repreendeu Joseph: “E eis que mui frequentemente transgrediste os mandamentos e as leis de Deus e seguiste as persuasões dos homens! Pois eis que não devias ter temido mais aos homens do que a Deus”. No entanto, a revelação deu-lhe esperança: “Lembra-te, porém, de que Deus é misericordioso. Portanto, arrepende-te do que fizeste contrário ao mandamento que te dei e és ainda escolhido; e és chamado à obra outra vez”.


“Vou Dar-lhe uma Visão”

Durante meses, Martin Harris permaneceu em sua casa em Palmyra, assombrado pela perda do manuscrito. Ele também afligiu-se ao descobrir que sua esposa e outras pessoas tentaram desacreditar Joseph Smith e fazer com que se tornasse uma fraude, alguém que estava simplesmente atrás do dinheiro de Martin. Ansiando por reconciliação e levando notícias sobre essas tentativas preocupantes, ele visitou Joseph Smith em Harmony em março de 1829.
Para alívio de Martin, Joseph havia obtido o perdão e estava se preparando para retomar a tradução. Martin pediu mais uma vez Joseph o privilégio de ver as placas. Ele desejava obter um firme testemunho de que “Joseph tinha as coisas que testemunhou possuir”, talvez para eliminar suas dúvidas remanescentes e ajudá-lo a persuadir Lucy. Joseph recebeu uma revelação para Martin, que se encontra hoje em Doutrina e Convênios 5. Nela, o Senhor revela que seriam chamadas três testemunhas para ver e dar testemunho das placas. Em seguida, para alegria de Martin Harris, o Senhor prometeu-lhe: “se [ele] prostrar-se perante mim e humilhar-se em fervorosa oração e fé, com o coração sincero, então permitirei que veja as coisas que deseja ver”. A revelação também indicouque a autenticidade do livro seria evidenciada por sua mensagem, em vez das placas e que muitos não acreditariam mesmo que Joseph Smith “[mostrasse] todas as coisas”.
O trabalho de tradução recomeçou em 5 de abril de 1829, quando Oliver Cowdery assumiu a função de escrevente. Joseph e Oliver retomaram de onde Joseph e Martin haviam parado anteriormente, perto do início do livro de Mosias. Mas em maio, ao se aproximarem do fim do Livro de Mórmon como o temos agora, eles se perguntaram se deveriam retraduzir a parte perdida. Para responder a essa pergunta, o Senhor deu a Joseph Smith outra revelação, que agora se encontra em Doutrina e Convênios 10. A revelação confirmou os temores de Joseph quanto a uma conspiração: “E eis que Satanás os incitou em seus corações a alterarem as palavras que fizeste escrever”. No entanto, o Senhor assegurou a Joseph que tinha uma solução preparada há muito tempo. Joseph foi ordenado a não retraduzir a parte perdida, mas a substituí-la por uma tradução das “placas de Néfi”, que cobriam um período de tempo semelhante. Assim, o Senhor iria frustrar os planos dos conspiradores e atender às orações dos antigos registradores nefitas que desejavam que esses escritos “fossem dados a este povo”.


“Meus Olhos Viram”

Como a tradução estava prestes a terminar, Martin, juntamente com Oliver Cowdery e David Whitmer, imploraram a Joseph o privilégio de serem as testemunhas prometidas das placas. Joseph novamente perguntou e recebeu a revelação contida em Doutrina e Convênios 17, prometendo a cada um dos homens que eles testemunhariam sobre as placas se “[confiassem] em [sua] palavra” de “todo o coração”.
Martin Harris estava, sem dúvida, eufórico por lhe ser permitido ver as placas, mas em junho de 1829, quando os três homens tentaram orar e obter uma visão das placas do anjo, eles inicialmente não tiveram sucesso. Martin temia que “sua presença fosse a causa de não conseguir o que [desejavam]”. Ele se retirou e pouco tempo depois, o anjo apareceu e mostrou as placas a Whitmer e Cowdery. Joseph então procurou Martin e o encontrou a certa distância dali. Ele estava orando por conta própria, e Joseph se uniu a ele em oração. Pouco depois, ele recebeu a manifestação que havia buscado há tanto tempo. Depois de ter visto as placas, ele gritou: “Já basta; meus olhos viram, meus olhos viram!”.


“Não Cobiçarás Tua Propriedade”.

Fortalecidos por essa experiência milagrosa e edificadora da fé, Martin renovou seu compromisso de fornecer apoio financeiro para a publicação do Livro de Mórmon. Joseph Smith tinha conversado com vários gráficos em Palmyra e Rochester, Nova York. Ele esperava convencer Egbert B. Grandin, de Palmyra, a imprimir o livro, e Martin assumiu as negociações. O preço de Grandin era de US$3.000,00 para a impressão de 5.000 exemplares, uma edição extraordinariamente grande, mas ele não compraria o tipo ou começaria o trabalho até que Joseph ou Martin “prometessem garantir o pagamento da impressão”. Martin teria de penhorar praticamente todas as propriedades que possuía legalmente.
Esse momento de decisão demonstraria a profundidade da fé de Martin Harris em Joseph Smith e no Livro de Mórmon. Em busca de orientação, ele falou com Joseph, que recebeu outra revelação. Hoje conhecida como Doutrina e Convênios 19, a revelação admoestou Martin: “Não te apegues a tua propriedade, mas oferece-a liberalmente para a impressão do Livro de Mórmon”. Em 25 de agosto de 1829, ele hipotecou sua propriedade para Grandin como forma de pagamento da publicação. Seus vizinhos ficaram surpresos porque seu sensato amigo “abandonaria o cultivo de uma das melhores fazendas da vizinhança” para garantir a publicação.
Inicialmente, Martin esperava recuperar sua fazenda hipotecada com a venda de exemplares do Livro de Mórmon. Em janeiro, Joseph Smith assinou um contrato com Martin, dando-lhe “privilégios iguais” para vender exemplares do Livro de Mórmon, até que ele tivesse recuperado totalmente os custos da impressão. Ele começou a vender o livro assim que os exemplares ficaram prontos em março de 1830. Infelizmente, as vendas não foram bem como ele esperava.
Joseph Smith encontrou Martin Harris bastante aflito no final de março de 1830 perto de Palmyra. De acordo com Joseph Knight, Martin carregava vários exemplares do Livro de Mórmon. Ele disse: “Os livros não vendem, pois ninguém os quer” e disse a Joseph, “Eu quero um mandamento”. A resposta de Joseph Smith mencionou a revelação anterior a Martin: “Cumpra o que você já tem”. “Mas eu preciso receber um mandamento”, repetiu Martin.
Ele não recebeu nenhum mandamento adicional. No entanto, em conformidade com a revelação anterior, Martin, por fim, vendeu parte suficiente de sua propriedade para pagar sua dívida. Assim fazendo, assegurou seu lugar como o mais significativo patrocinador financeiro do Livro de Mórmon e, consequentemente, à Igreja em seus primórdios. Nenhuma outra pessoa dentre os amigos de Joseph Smith, mais jovens e mais pobres, poderia ter dado essa contribuição essencial.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias afirma que o Livro de Mórmon é um volume de escrituras sagradas comparável à Bíblia. É um registro da comunicação de Deus com três grupos de pessoas que migraram do Oriente Médio ou da Ásia Ocidental para as Américas centenas de anos antes da chegada dos europeus. Embora o propósito principal do Livro de Mórmon seja mais espiritual do que histórico, algumas pessoas acreditam que as migrações nele descritas sejam compatíveis com estudos científicos da América antiga. A discussão tem-se centralizada no campo da genética populacional e no desenvolvimento da ciência do DNA. Alguns argumentam que as migrações mencionadas no Livro de Mórmon não ocorreram porque a maioria do DNA identificado naquela data em povos nativos modernos é mais semelhante ao de populações orientais asiáticas. Princípios básicos da genética populacional sugerem a necessidade de uma abordagem mais cuidadosa dos dados. As conclusões da genética, assim como as de qualquer ciência, são provisórias, e muito trabalho continua a ser feito para se compreender plenamente a origem das populações nativas das Américas. Nada é conhecido sobre o DNA dos povos do Livro de Mórmon, e mesmo que seu perfil genético fosse conhecido, há boas razões científicas para crer que ele pode continuar a não ser detectado. Pelos mesmos motivos, argumentos que alguns defensores do Livro de Mórmon fazem com base em estudos de DNA também são especulativos. Em suma, os estudos de DNA não podem ser usados como decisivos para confirmar ou rejeitar a autenticidade histórica do Livro de Mórmon. Os Antepassados dos Índios Americanos As provas reunidas até hoje sugerem que a maioria dos nativos americanos possui muito do DNA asiático. Os cientistas supõem que em uma época que antecedeu os relatos do Livro de Mórmon, um grupo relativamente pequeno de pessoas migrou do nordeste asiático para as Américas por meio de uma ponte de Terra que conectava a Sibéria ao Alasca. Essas pessoas, dizem os cientistas, espalharam-se rapidamente para preencher as Américas do Norte e do Sul e provavelmente foram os principais antepassados dos índios americanos modernos. O Livro de Mórmon fornece pouca informação direta sobre o contato cultural entre os povos que descreve e outros que podem ter vivido nas proximidades. Consequentemente, a maioria dos primeiros santos presume que asiáticos orientais ou ocidentais como Jarede, Leí, Muleque e seus companheiros foram os primeiros ou os maiores ou até mesmo os únicos grupos a se estabelecerem nas Américas. Com base nessa suposição, os críticos insistem que o Livro de Mórmon não permite a presença de outras grandes populações nas Américas e que, portanto, o DNA de orientais deveria ser identificado com facilidade entre grupos nativos modernos. O Livro de Mórmon em si, no entanto, não professa que os povos que descreve eram os habitantes predominantes ou exclusivos das terras que ocuparam. Na verdade, pistas culturais e demográficas em seu texto aludem a presença de outros grupos. Na Conferência Geral de abril de 1929, o Presidente Anthony W. Ivins, da Primeira Presidência advertiu: “Precisamos ser cuidadosos ao tirar conclusões. O Livro de Mórmon (…) não nos diz que não havia ninguém aqui antes deles [os povos que descreve]. Não significa que não vieram povos para cá depois disso”. Joseph Smith parece ter sido aberto à ideia de migrações não descritas no Livro de Mórmon, e muitos santos líderes e estudiosos do século passado descobriram que o relato do Livro de Mórmon era totalmente condizente com a presença de outras populações estabelecidas. A atualização de 2006 da introdução do Livro de Mórmon reflete esse entendimento, declarando que os povos do Livro de Mórmon estavam “entre os antepassados dos índios americanos”. Nada é conhecido sobre a extensão do casamento e a mistura genética entre os povos do Livro de Mórmon ou seus descendentes e outros habitantes das Américas, embora algumas misturas parecem evidentes, mesmo durante o período coberto pelo texto do livro. O que parece claro é que o DNA dos povos do Livro de Mórmon provavelmente representavam apenas uma fração de todo o DNA da América antiga. Encontrar e claramente identificar seu DNA hoje pode ser pedir mais do que a ciência da genética é capaz de oferecer. Entender a Evidência Genética Uma breve revisão dos princípios básicos da genética ajudarão a explicar como os cientistas usam o DNA para estudar populações antigas. Também irá destacar a dificuldade de se tirar conclusões sobre o Livro de Mórmon com o estudo da genética. DNA -- o conjunto de instruções para a edificação e manutenção da vida -- encontra-se no núcleo de quase todas as células humanas. Ele é organizado em 46 unidades chamadas cromossomos -- 23 recebidas de cada um dos pais. Esses cromossomos contêm cerca de 3,2 bilhões de instruções. Quaisquer duas pessoas compartilham aproximadamente 99,9% da sua disposição genética, mas milhares de pequenas diferenças são responsáveis por uma enorme variação entre as pessoas. As variações genéticas são iniciadas por meio do que os geneticistas chamam mutação aleatória. As mutações são erros que ocorrem quando o DNA é copiado durante a formação de células reprodutivas. Essas mutações acumulam-se ao longo do tempo, enquanto são passadas de geração em geração, resultando em perfis genéticos únicos. O padrão de herança dos primeiros 22 pares de cromossomos (chamados autossomos) é caracterizado por embaralhamento contínuo: metade do DNA tanto do pai como da mãe se recombinam para formar o DNA de seus filhos. O par 23 de cromossomos determina o sexo de uma criança (XY para alguém do sexo masculino, XX para o feminino). Uma vez que somente os homens têm o cromossomos Y, um filho herda este cromossomo em sua maioria intacto de seu pai. As células humanas também têm DNA em um componente da célula chamado mitocôndria. O DNA mitocondrial é relativamente pequeno -- contendo aproximadamente 17.000 instruções -- e é herdado, em grande parte intacto da mãe. O DNA mitocondrial da mãe é passado a todos os seus filhos, mas apenas suas filhas irão passar seu DNA mitocondrial para a próxima geração. O DNA mitocondrial foi o primeiro tipo de DNA a ter a sequência identificada e, assim, o primeiro que os geneticistas usaram para estudar as populações. Visto que a tecnologia tem melhorado, a análise do DNA autossômico permitiu aos geneticistas realizar estudos sofisticados envolvendo combinações de vários marcadores genéticos. Os geneticistas populacionais tentam reconstruir a origem, migrações e relacionamentos das populações usando amostras de DNA antigas e modernas. Examinando dados disponíveis, os cientistas identificaram combinações de mutação que distinguem as populações em diferentes regiões do mundo. Os perfis de DNA mitocondrial e cromossomo Y únicos são chamados haplogrupos. Os cientistas designam esses haplogrupos com letras do alfabeto. No momento, o consenso científico assume que pertence a grande maioria dos nativos americanos pertence a sub-ramos dos haplogrupos C e Q do cromossomo Y e que os haplogrupos de DNA mitocondriais A, B, C, D e X, todos os que são predominantemente asiáticos orientais. , mas o quadro não é inteiramente claro. Estudos contínuos fornecem novos pontos de vista, e alguns desafiam conclusões anteriores. Por exemplo, um estudo de 2013 declara que, cerca de um terço do DNA dos nativos americanos se originou no passado na Europa ou Ásia Ocidental e provavelmente foi introduzido na herança genética antes da migração mais antiga das Américas. Esse estudo pinta um quadro mais complexo do que o sugerido pela opinião predominante, de que o DNA de todos os nativos americanos é essencialmente do leste asiático. Enquanto os marcadores de DNA do oriente existem no DNA de populações nativas modernas, é difícil determinar se elas são o resultado das migrações anteriores a Colombo, como os descritos no Livro de Mórmon, ou se eles se derivam da mistura genética que ocorreu após a conquista europeia. Isso se deve em parte ao fato de que o “relógio molecular”, usado pelos cientistas para datar a aparência dos marcadores genéticos nem sempre são precisos o suficiente para identificar o momento em que as migrações ocorreram como recentemente, em algumas centenas ou até mesmo alguns milhares de anos atrás. Os cientistas não descartam a possibilidade de migrações adicionais, em pequena escala para as Américas. Por exemplo, uma análise genética feita em 2010 de um paleo-esquimó bem preservado de 4.000 anos de idade na Groenlândia levou cientistas à hipótese de que um grupo de pessoas além do leste da Ásia havia migrado para a América. Comentando sobre esse estudo, o geneticista populacional Marcus Feldman da Universidade de Stanford disse: “Modelos que sugerem uma migração única geralmente são considerados sistemas idealizados. (…) Pode ter havido pequenas quantidades de migrações acontecendo há milênios”. O Efeito Fundador Um dos motivos de ser difícil de usar as evidências de DNA para chegar a conclusões definitivas sobre os povos do Livro de Mórmon é que nada é conhecido sobre o DNA que Leí, Saria, Ismael e outras pessoas trouxeram para as Américas. Mesmo que geneticistas tivessem um banco de dados do DNA que agora existe entre todos os grupos de índios americanos modernos, seria impossível saber exatamente o que procurar. É possível que cada membro das partes que emigraram descritas no Livro de Mórmon tivesse um DNA típico do oriente, mas também é possível que algumas delas carregassem DNA mais típicos de outras regiões. Neste caso, seus descendentes poderiam herdar um perfil genético que seria inesperado devido ao lugar de origem da família. Esse fenômeno é chamado de o efeito fundador. Considere a possibilidade do caso do Dr. Ugo A. Perego, um geneticista populacional SUD. Sua genealogia confirma que ele vem de múltiplas gerações de italianos, mas o DNA de sua linhagem genética paterna é de um ramo dos asiáticos/nativos americanos do haplogrupo C. Isso provavelmente significa que, em algum lugar ao longo da linha, um evento migratório da Ásia para a Europa levou a introdução do DNA atípico do lugar de origem de Perego. Se Perego e sua família fossem colonizar uma massa de terra isolada, futuros geneticistas que realizassem um estudo dos cromossomos Y dos seus descendentes poderiam concluir que os colonizadores de massa de terra eram da Ásia, em vez de Itália. Essa história hipotética mostra que conclusões sobre a genética de uma população devem ser informadas por um claro entendimento do DNA dos fundadores da população. No caso do Livro de Mórmon, informações claras desse tipo não estão disponíveis. Gargalo da População e Deriva Genética As dificuldades não terminam com o efeito fundador. Mesmo se com um alto grau de certeza de que os emigrantes descritos no Livro de Mórmon tinham o que poderia ser considerado tipicamente o DNA do oriente, é bem possível que seus marcadores de DNA não sobreviveriam nos séculos que se seguiram. Princípios bem conhecidos de cientistas, incluindo o gargalo da população e a deriva genética, muitas vezes levam à perda de marcadores ou fazem com que esses marcadores sejam quase impossíveis de se detectar. Gargalo da População O gargalo da população é a perda de variação genética que ocorre quando uma catástrofe natural, doença epidêmica, uma grande guerra ou outras calamidades resultam na morte de uma parte substancial de uma população. Esses eventos podem severamente reduzir ou eliminar totalmente certos perfis genéticos. Nesses casos, uma população pode recuperar a diversidade genética ao longo do tempo por meio de mutação, mas muito da diversidade que existia anteriormente é irremediavelmente perdida. Ilustração de gargalo da população. Devido a uma drástica redução na população, alguns perfis genéticos (representados aqui pelos círculos amarelos, laranja, verdes e roxos), estão perdidos. As gerações subsequentes herdaram somente o DNA dos sobreviventes. Além da guerra catastrófica no final do Livro de Mórmon, a conquista Europeia das Américas no século XV e XVI causou uma cadeia cataclísmica de eventos. Como resultado da guerra e da propagação de doenças, muitos grupos de americanos nativos passaram por perdas de população devastadoras. Um antropólogo molecular observou que a conquista “espremeu toda a população ameríndia por meio de um gargalo genético”. Encerrou, dizendo: “Esta redução da população mudou para sempre a genética dos grupos sobreviventes, complicando assim todas as tentativas de reconstruir a estrutura genética pré-colombiana da maioria dos grupos do Novo Mundo”. Deriva Genética A deriva genética é a perda gradual de marcadores em pequenas populações devido a acontecimentos aleatórios. Uma ilustração simples costuma ser usada para ensinar esse conceito: Encha uma jarra com bolinhas de 20 gude -- 10 vermelhas e 10 azuis. O jarro representa uma população e as bolinhas de gude representam as pessoas com diferentes perfis genéticos. Desenhe uma bola de gude ao acaso da população, registre sua cor e coloque-a de volta na jarra. Cada desenho representa o nascimento de uma criança. Desenhe 20 vezes para simular uma nova geração no seio da população. A segunda geração poderia ter um número igual de cada cor, mas o mais provável terá um número ímpar das duas cores. Antes de desenhar uma terceira geração, ajuste a proporção de cada cor na jarra que reflitam a nova mistura de perfis genéticos na piscina de genes. Ao continuar o desenho, a mistura agora desigual leva cada vez mais a desenhos da cor dominante. Ao longo de várias gerações, essa “mudança” em relação uma única cor quase sempre resultará no desaparecimento da outra cor. Ilustração de deriva genética usando bolinhas coloridas. Este exercício ilustra o padrão de herança do material genético ao longo de várias gerações e mostra como a deriva pode resultar na perda de perfis genéticos. O efeito da deriva é principalmente percebido em populações pequenas, isoladas ou em casos em que um pequeno grupo que carrega um perfil genético distinto se mistura com uma população muito maior de uma linhagem diferente. Um estudo realizado na Islândia combinando dados genealógicos e genéticos demonstra que a maioria das pessoas que viviam naquele país hoje herdaram DNA mitocondrial apenas de uma pequena porcentagem das pessoas que viviam lá há apenas 300 anos. O DNA mitocondrial da maioria dos islandeses vivos naquela época simplesmente não sobreviveu aos efeitos aleatórios da deriva. É concebível que grande parte dos povos do DNA do Livro de Mórmon não tenha sobrevivido pelo mesmo motivo. A deriva genética afeta particularmente o DNA mitocondrial e do cromossomo Y, mas também leva à perda de variação do DNA autossômico. Quando uma pequena população mistura-se com uma grande, combinações de marcadores autossômicos típicos do grupo menor rapidamente se tornam sobrecarregados ou sufocados por aqueles do maior. Os marcadores do grupo menor logo tornam-se raros na população combinada e podem ser extintos devido aos efeitos da deriva genética e gargalos conforme descrito acima. Além disso, o embaralhamento e recombinação do DNA autossômico de geração em geração produz novas combinações de marcadores em que o sinal genético predominante provém da maior população original. Isso pode fazer as combinações de marcadores característica do grupo menor estejam tão diluídas que não podem ser identificados com segurança. Os autores de um jornal de 2008 da American Journal od Physical Anthropology [Jornal Americano de Antropologia Física] resumiu o impacto dessas forças sucintamente: “A deriva genética tem sido uma força significativa [na genética de nativos americanos] e, juntamente com um acidente populacional após o contato com os europeus tem alterado as frequências do haplogrupo e causou a perda de muitos haplótipos.” Os perfis genéticos podem ser inteiramente perdidos e as combinações que tenham existido podem tornar-se tão diluídas que sejam difíceis de detectar. Assim, partes de uma população de fato podem estar relacionados genealogicamente a uma pessoa ou grupo, mas não possuir o DNA que possa ser identificado como pertencentes a esses antepassados. Em outras palavras, os nativos americanos cujos antepassados incluem os povos do Livro de Mórmon podem não ser capazes de confirmar o relacionamento pelo uso do DNA. Conclusão Por mais que críticos e defensores do Livro de Mórmon desejem usar estudos de DNA para apoiar seu ponto de vista, a prova é simplesmente inconclusiva. Nada é conhecido sobre o DNA dos povos do Livro de Mórmon. Mesmo que essas informações fossem conhecidas, processos como gargalo da população e a deriva genética tornam improvável que o DNA deles possa ser detectado hoje. Como o Élder Dallin H. Oaks do Quórum dos Doze Apóstolos, observou, “é nossa posição que nenhuma prova secular pode nem provar refutar a autenticidade do Livro de Mórmon”. Os historiadores do Livro de Mórmon estavam preocupados principalmente com a transmissão de verdades religiosas e com a preservação da herança espiritual de seu povo. Eles oraram para que, apesar da destruição profetizada da maior parte de seu povo, seus registros fossem preservados e um dia ajudariam a restaurar o conhecimento da plenitude do evangelho de Jesus Cristo. Sua promessa a todos os que estudam o livro “com um coração sincero e com real intenção, tendo fé em Cristo”, é que Deus “manifestará a verdade dele, pelo poder do Espírito Santo”. Para inúmeras pessoas que aceitaram esse teste de autenticidade do livro, o Livro de Mórmon é um volume de escrituras sagradas com o poder de aproximá-las de Jesus Cristo. A Igreja reconhece a contribuição de estudiosos para o conteúdo científico apresentados neste artigo; seu trabalho é usado com permissão.

terça-feira, 12 de abril de 2016

Apresentação simples sobre a igreja mormon (SUD)

Quem são os mórmons?

Quem são os mórmons? Saiba mais sobre eles neste vídeo.

Publicado por mormonsud.net em Terça, 20 de outubro de 2015